Pedro Costa e Joana Macedo Presidente e Vice Presidente, demitem-se da Direcção da JS de Vila Verde

Pedro Costa e Joana Macedo, respectivamente presidente e vice-presidente da Juventude Socialista (JS) de Vila Verde, apresentaram a demissão das suas funções, acusando a estrutura concelhia do PS de «premeditada falta de diálogo», o que «tornou impossível o normal funcionamento» daquela estrutura juvenil.

 

Pedro Costa demitiu-se de presidente da JS da Vila Verde. Para além do agora “ex-lider” também a vice Joana Macedo se demitiu. Segundo nota de imprensa enviada aos órgãos de comunicação social locais, a “premeditada falta de diálogo” entre o PS concelhio e JS de Vila Verde tornou “impossível o normal funcionamento da estrutura juvenil do PS de Vila Verde”.  A actual comissão política da concelhia do PS, que tem como líder José Morais, é  acusada de “segregar” jovens. “A manifesta vontade da actual direcção do PS em afastar os dirigentes, agora demissionários, produziu os seus efeitos”, revelam os demissionários.

 

FIQUEM COM A NOTA DE IMPRENSA NA INTEGRA.

 

«A premeditada falta de diálogo entre o PS concelhio e JS de Vila Verde tornou impossível o normal funcionamento da estrutura juvenil do PS de Vila Verde, não deixando aos abaixo-assinados outra alternativa senão uma demissão dos cargos que ocupavam.

Com efeito, nos últimos meses, o Presidente e Vice-presidente da JS de Vila Verde nunca foram tidos nem achados, quebrando-se, assim, a saudável co-existência que durante muitos anos existiu em Vila Verde.

A JS de Vila Verde sempre se pautou por uma postura independente face ao PS. Contudo, sempre trabalhou em estreita ligação, numa estratégia de complementaridade e de perseguição conjunta de objectivos e metas comuns.

Infelizmente, nos últimos meses, essa natural e desejada relação foi completamente destruída, havendo mesmo momentos de puro ataque interno aos dirigentes da JS democraticamente eleitos, usando artifícios para, propositadamente, os desprestigiar.

Conhecendo e testemunhando o mau relacionamento entre os órgãos eleitos do PS e da JS de Vila Verde, é muito estranho e muito artificial ouvir afirmações como as que se ouviram por alturas da eleição da nova Comissão Política Concelhia do PS de Vila Verde.

Não se pode publicamente defender trabalho conjunto com os jovens socialistas e, ao mesmo tempo, segregar jovens, por sinal dirigentes, afastando-os desse mesmo trabalho.

As declarações públicas têm que corresponder ao praticado. Não permitimos que seja diferente, pois sempre exigimos isso dos nossos adversários políticos.

Os dirigentes agora demissionários continuam a acreditar que um Concelho só se constrói com políticas de juventude sérias e, para isso, é necessário jovens comprometidos com o Concelho, com os Vilaverdenses, com um projecto de gestão autárquica alternativo e não de alternância ao que existe actualmente. Foi sempre esse o grande objectivo da JS Vila Verde neste biénio.

A manifesta vontade da actual direcção do PS em afastar os dirigentes agora demissionários produziu os seus efeitos.

Não podemos continuar a trabalhar, muito menos a tentar pensar em conjunto, a tentar alcançar metas comuns, quando do lado onde mais responsabilidade e vontade devia existir se encontra hostilização, desvalorização e outras atitudes pouco dignas de quem se quer apresentar como aglutinador de vontades.

Não é esse o caminho.

Temos a certeza que não é por aí, certeza essa que nos faz aconselhar a actual
direcçãodo PS a ouvir, efectivamente, os jovens, em diálogo sério, sem segregação, sem simpatias ou antipatias, pois, só por esse caminho será possível alcançar o Concelho que todos ansiamos».

 

“Nota-se bem, quem trabalha por vila verde, Os nosso jovens merecem mais”

Assim se fala Por Vila Verde